O que é o Grande Reset de 2021?

The Great Reset abre passagem para uma Nova Ordem Mundial

O fundador e presidente executivo do Fórum Econômico Mundial, Klaus Schwab, disse em 3 de junho de 2020 que “The Great Reset” ou A Grande Reinicialização será o tema principal da próxima reunião do Fórum, que ocorrerá em janeiro de 2021 com a presença de importantes lideranças mundiais.

“Todos os países, dos Estados Unidos à China, devem participar, e todos os setores, do petróleo e do gás à tecnologia, devem ser transformados ... Em suma, precisamos fazer A Grande Reinicialização do capitalismo.”

- Klaus Schwab

Em artigo postado no site do Fórum Econômico Mundial, seu presidente, Klaus Schwab, disse que “o mundo deve se unir para rapidamente renovar todos os aspectos de nossas sociedades e economias, da educação ao contrato social e as condições de trabalho”.

“Temos uma oportunidade de ouro para tirar algo de bom desta crise [COVID-19]. As ondas de choque sem precedentes podem tornar as pessoas mais receptivas a grandes visões de mudança.”
– Príncipe Charles.

O estopim e justificativa para A Grande Reinicialização tem sido a pandemia da coronavírus. As lideranças do Fórum de 2019 se referiram a ela como uma oportunidade para uma completa e abrangente transformação na economia mundial, de modo a tornar o mundo mais igualitário e, ao mesmo tempo, apoiar o combate à mudança climática, que já foi apontada em várias ocasiões como um grande desafio para o mundo.

O Centro Internacional de Conferências de Dalian antes do início do Fórum Econômico Mundial em Dalian, República Popular da China 2019. Direitos Autorais do Fórum Econômico Mundial / Benedikt von Loebell
O Centro Internacional de Conferências de Dalian antes do início do Fórum Econômico Mundial em Dalian, República Popular da China 2019. Direitos Autorais do Fórum Econômico Mundial / Benedikt von Loebell

Klaus Schwab não foi o único a falar sobre a necessidade de A Grande Reinicialização. Lideranças do Fórum, pessoas ocupam posições influentes em organizações e governos do mundo todo, também pediram por mudanças econômicas de longo alcance que soam muito semelhantes ao Green New Deal proposto nos EUA e encabeçado pelos socialistas norte-americanos Bernie Sanders e Alexandria Ocasio-Cortez, exceto que agora em escala global.

O Green New Deal é o nome dado à série de propostas econômicas no sentido de combater as alterações climáticas e a desigualdade econômica. O termo New Deal é uma referência ao programa econômico aplicado pelo Presidente Franklin D. Roosevelt para combater a Grande Depressão nos EUA na década de 1930.

Sharan Burrow, secretária geral da Confederação Sindical Internacional, disse:

“Precisamos aproveitar a atual crise para ajudar a reequilibrar a economia global.”

“Precisamos criar políticas para direcionar investimento para as pessoas e o meio ambiente.”

“Mas, acima de tudo, dentro de uma perspectiva de longo prazo, precisamos reequilibrar as economias.”

“Queremos o fim da mentalidade de só pensar no lucro, porque, se não construirmos um futuro econômico sustentável, se não respeitarmos os limites do planeta e a necessidade de mudanças em nossa matriz energética e tecnologia, então, nós, humanos, deixaremos de ter um planeta vivo”.

Reforçando esses pensamentos, Antonio Guterres, secretário-geral da ONU, pediu a construção de “sociedades igualitárias, inclusivas e sustentáveis, que sejam mais resilientes ao lidar com pandemias e mudanças climáticas”.

Jennifer Morgan, diretora executiva do Greenpeace International, disse que o mundo deveria usar a crise atual para apertar o botão de reinicialização, de modo semelhante ao que ocorreu após a Segunda Guerra Mundial”.

“Estabelecemos uma nova ordem mundial após a Segunda Guerra Mundial”, disse Morgan, “O mundo já é bem diferente daquele do pós-guerra. Precisamos nos perguntar: o que podemos fazer para que seja diferente? O Fórum Econômico Mundial tem grande responsabilidade nisso; precisa apertar o botão de reinicialização entendendo como criar bem-estar para as pessoas e para a Terra”.

Outros palestrantes no Fórum de 2019 também pediram pela A Grande Reinicialização, entre eles, destacam-se Ma Jun, presidente do Comitê de Finanças Verdes da Sociedade Chinesa de Finanças e Bancos e membro do Comitê de Política Monetária do Banco Popular da China; Bernard Looney, CEO da BP; Ajay Banga, CEO da Mastercard; Bradford Smith, presidente da Microsoft; e Gina Gopinath, economista-chefe do Fundo Monetário Internacional.

O Fórum de 2019, realizado virtualmente devido à pandemia, anunciou as linhas gerais de A Grande Reinicialização, contudo, aspectos mais específicos provavelmente serão deliberados no próximo Fórum Econômico Mundial que ocorrerá em Davos, Suíça, em janeiro de 2021.

O evento foi anunciado como uma cimeira geminada, ou seja, um encontro pessoal em Davos entre líderes mundiais integrado a reuniões, conectadas em rede virtualmente a Davos, com a participação dos principais líderes governamentais e empresariais do mundo, conectados numa rede global em 400 cidades.

Abaixo segue um sumário sobre a cimeira.

1. Liderança:

Os economistas Thomas Piketty e Joseph Stigliz (marxista e keynesiano).

2. Diretrizes para:

• Aquecimento global
• Novo Acordo Verde
• Novo Bretton Woods

3. Problemas:

• Pandemia do COVID-19
• Agitação social
• Crises econômicas

4. Metas:

• Eliminar e substituir o papel-moeda pela cripto moeda DES (Direitos Especiais de Saque), já utilizada em 1970, 1979 e 2009 para injetar liquidez no sistema financeiro.

• Reforma tributária global com tributação até 90% para fortunas acima de US$ 2 bilhões.

• Criar mecanismos que dificultem transações envolvendo paraísos fiscais.

• Remover do mercado qualquer empresa ou organização que não seja “verde”, como, por exemplo, a indústria da carne ou do petróleo.

• Estimular o consumo de produtos com o “selo verde”. Governos devem preferencialmente dar maiores subsídios e cupons ao consumidor para esses produtos.

• Fomentar “títulos verdes” ao máximo. Banco centrais devem preferencialmente usar títulos verdes ao fazerem flexibilização quantitativa.

• Acabar com o uso de combustíveis fósseis no mundo.

• Vacinação mandatória e passaporte mundial (APP) com rastreamento genético.

Portanto, os temas a serem debatidos no Fórum de 2021 mostram que caminhamos para uma governança global de viés socialista e marxista.

Créditos: Imagem de Klaus Schwab / Wikicommons
Scroll to top

Fique informado

Inscreva-se em nosso Boletim Informativo para receber atualizações e promoções.